segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Aparando as arestas


Começou às 17h, no gabinete da deputada Stela Farias, a reunião chamada pela presidenta da CPI da Corrupção com o relator, Coffy Rodrigues, e o vice-presidente, Gilberto Capoani. Na pauta, os requerimentos apresentados por Rodrigues transferindo prerrogativas da presidência para a relatoria da comissão. Stela resolveu aparar as arestas com ambos antes da primeira audiência da CPI, marcada para esta terça-feira, às 17h.

Isenção absoluta

Torma (esq) recebeu a visita da deputada Stela Farias

Se a CPI da Corrupção quiser fazer reuniões fora da Assembléia Legislativa, poderá usar as dependências da ARI. Por entender que determinados depoimentos exigem um local com "isenção absoluta", o presidente Erci Torma colocou o auditório da entidade à disposição dos integrantes da comissão.

ARI na vigilância



Dando continuidade às visitas que está fazendo a orgãos públicos e entidades para apresentar o trabalho que será desenvolvido pela CPI da Corrupção e estabelecer parcerias, a presidenta Stela Farias esteve hoje na ARI, onde conversou com o presidente Erci Torma. O jornalista reafirmou que a associação acompanhará as investigações e se manterá vigilante para que a Comissão Parlamentar de Inquérito atinja seus objetivos.

Faltou o mais importante


Era para ser um ato de desagravo ao deputado federal José Otávio Germano, mas o churrasco oferecido pelo parlamentar no final de semana não contou com a presença de nenhum outro deputado do PP ou integrante da executiva do partido.

Réu na ação de improbidade administrativa ajuízada pelo Ministério Público Federal, acusado de participar da fraude no Detran, José Otávio Germano tem dito que pode provar sua inocência, o que já resultou em um convite, por parte do deputado Daniel Bordignon, para que venha depor na CPI da Corrupção e dê a sua versão para as denúncias.

Aliás, para quem admitiu que até pouco tempo atrás estava afundado no cheque especial, José Otávio está podendo: 380 quilos de carne foram consumidos no churrasco.

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Direito precípuo



Ao visitar o desembargador federal Paulo Afonso Brum Vaz, responsável pelo processo relativo à Operação Solidária, a deputada Stela Farias ouviu do magistrado que a solicitação de documentos para subsidiar os trabalhos da CPI é "um direito precípuo da comissão".

Sem polêmicas desnecessárias


A presidenta da CPI da Corrupção, Stela Farias (PT), chamou o relator Coffy Rodrigues (PSDB) e o vice-presidente Gilberto Capoani (PMDB) para uma reunião na próxima segunda-feira (31), às 17h. Conforme a deputada, a intenção do encontro é criar um ambiente favorável para a arrancada das investigações e ouvir as sugestões de ambos. A parlamentar quer evitar que polêmicas desnecessárias assumam o centro das atenções, secundarizando o esforço para realização de uma investigação séria e rigorosa.

Stela decidiu também adiar para quarta-feira (3) a publicação dos 13 requerimentos protocolados. Antes disso, quer conversar com os demais membros da comissão.

Bordignon convida José Otávio para depor na CPI


O deputado Daniel Bordignon acredita que José Otávio Germano (PP) deveria comparecer à CPI da Corrupção. O parlamentar progressista é acusado pelo MPF de ter recebido R$ 70 mil mensais de propina em 2007, quando o esquema Detran estava em pleno funcionamento, mas nega qualquer participação na fraude e alega que está sendo injustiçado. "Penso que ele deve ter o maior interesse de esclarecer estes fatos no âmbito da CPI”, sustenta Bordignon.

Bordignon lembra que os procuradores federais que analisaram as contas de José Otávio Germano consideraram a movimentação bancária do deputado incompatível com a sua renda. Em 2007, segundo o MPF, R$ 1,2 milhão circulou pelas contas de Germano. O cruzamento desta informação com as degravações das escutas telefônicas onde o deputado federal fala ou é citado embasou a denúncia do MPF contra ele.

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Agenda cheia


Entre amanhã (28) e a próxima sexta (4), a presidenta da CPI da Corrupção visitará órgãos públicos e entidades civis em busca de apoio para as investigações da comissão. Nesta sexta, Stela Farias encontra-se com o desembargador federal Paulo Afonso Brum Vaz, responsável pelo processo relativo à Operação Solidária, quando solicitará documentos para subsidiar os trabalhos da CPI.

Já na segunda-feira (31), o encontro será com o presidente da Associação Riograndense de Imprensa, Erci Pereira Torma. No dia 4 de setembro, a presidenta da comissão de inquérito participa de reunião com a direção da OAB/RS para pedir que a entidade acompanhe as investigações

Relator é relator



O requerimento protocolado pelo deputado Coffy Rodrigues (PSDB), estabelecendo regras para o funcionamento da CPI, fere as prerrogativas da presidenta da CPI, Stela Farias. Este é o entendimento do deputado Daniel Bordignon. "O deputado Coffy foi eleito para ser o relator da CPI e não o seu presidente, argumenta Bordignon, que classificou o requerimento de anti-regimental e inconstitucional.

Entre outras coisas, Coffy reivindica que a ordem dos depoimentos e o plano dos trabalhos sejam definidos pelo relator, que as diligências externas só sejam realizadas após autorização do conjunto de integrantes da comissão, assim como as sessões extraordinárias.

Além disso, o tucano também quer limitar o tempo das sessões em seis horas, o tempo das intervenções dos deputados em nove minutos - incluindo pergunta, réplica e tréplica - e o acesso às dependências do Plenarinho, onde serão realizadas as audiências.

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Sem patrola


A votação para escolha do relator e do vice-presidente da CPI foi uma demonstração do que os partidos que apoiam a governadora Yeda Crusius estão prometendo fazer, isto é, votar em bloco contra tudo o que eles acreditam que pode desgastar (ainda mais?) o governo.

Para relator, o deputado Coffy Rodrigues, indicado pela base aliada, recebeu oito votos e Luciano Azevedo (PPS), sugerido pela oposição, quatro. O próprio Luciano votou em Coffy para não contrariar a orientação do seu partido.

Para vice, a votação foi idêntica - oito votos para Gilberto Capoani (PMDB) e quatro para Paulo Borges (DEM). A escolha de Capoani não seguiu a tradição de outras CPIs, quando o vice foi indicado pela minoria da Assembleia.

Diante da ameaça de obstrução dos trabalhos, a deputada Stela Farias foi clara: não vai compactuar com qualquer movimento que busque encobrir a verdade ou desviar o foco da CPI, que é investigar as denúncias de corrupção envolvendo integrantes do Palácio Piratini.

12 requerimentos de saída

Stela Farias e Coffy Rodrigues, presidenta e relator da CPI

A secretaria da CPI da Corrupção já recebeu 12 requerimentos, sendo 11 da oposição e um do deputado Coffy Rodrigues (PSDB). Todos serão apreciados na próxima reunião, marcada excepcionalmente, para terça-feira (1º) para cumprir o prazo regimental (os requerimentos precisam ser publicados no Diário da Assembléia com antecedência mínima de 48 horas para estarem aptos à votação).

Entre as solitações apresentadas pela oposição está a convocação para depoimento de Walna Meneses, assessora especial da governadora; Ricardo Lied, chefe de gabinete de Yeda; Carlos Otaviano de Moraes, ex-secretário da Transparência; Estela Máris Simon, Sérgio Buchmann, Carlos Ubiratan dos Santos e Flávio Vaz Netto, ex-presidentes do Detran; Sérgio Filomena, atual presidente do Detran; Delson Martini, ex-secretário Geral de Governo; Delacy Martini, pai de Delson; Chico Fraga, ex-secretário de Canoas; Eduardo Laranja, ex-proprietário da casa da governadora; Marcelo Albert, corretor de imóveis; Pedro Ruas, vereador do PSOL; Rosi Bernardes, ex-secretária adjunta de Obras e Neide Bernardes Viana, lobista.

Os requerimentos ainda pedem cópia integral dos termos do acordo existente entre a Secretaria da Fazenda e empresas do setor fumageiro para a compensação de créditos tributários, do processo de regularização de pendências com a empresa Atento Service e dos contratos em vigor ou vencidos do Estado com as empresas Pensant Consultores, Sarkis Engenharia, Rio Del Sur, Newmark Tecnologia, NT Pereira, Carlos Rosa Advogados, Fadel Advogados, Nachtigal Advogados, IGPL Inteligência e Gestão Pública, Hoehr & Ciocari Advogados, Park e MD Serviços de Segurança.

O requerimento do deputado Coffy Rodrigues pede limite de tempo para as intervenções dos parlamentares e para as audiências.

Stela anunciou que até amanhã (27), às 17h, a secretaria da CPI estará recebendo requerimentos para serem votados na terça.

O momento, a responsabilidade e a verdade



A gravidade do momento político vivido pelo Rio Grande do Sul e a responsabilidade da Assembleia diante do rol de denúncias que atinge o governo estadual marcaram os discursos do presidente da Assembleia, Ivar Pavan, e da presidenta Stela Farias, durante a instalação da CPI da Corrupção.

Empossada exatamente às 17h15min, Stela ressaltou que não está assumindo esta função com prazer. "A hora não é de comemoração, mas de esclarecer a verdade", frisou.

A deputada fez questão de esclarecer que a CPI não foi criada para investigar pessoas, mas fatos, e será conduzida com o rigor jurídico necessário para "preservar os indivíduos".

CPI ao vivo


O site PTSul vai retransmitir as sessões da CPI da Corrupção ao vivo através do link disponibilizado pela TV Assembleia.

http://www.ptsul.com.br/

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Pressões e ameaças


O nome indicado pelo PDT para integrar a CPI como titular será o deputado Gilmar Sossella. Ele substituirá Paulo Azeredo, que agora atuará como suplente. A decisão foi tomada durante reunião da bancada, ao meio-dia desta terça-feira.

Paulo Azeredo, que foi o articulador da participação do PDT na CPI e conseguiu as assinaturas que faltavam para validar o pedido com investigações sobre doações de fumageiras e irregularidades em licitações de barragens, desistiu. Ele alegou problemas pessoais e familiares para justificar o afastamento. No entanto, assessores revelaram que depois de sofrer pressões políticas através de lobistas, o deputado e seus familiares começaram a receber telefonemas ameaçadores.

Assinado: Goela rotunda

Sistemática especial


A presidente da CPI da Corrupção, deputada Stela Farias (PT), anunciou que na quarta-feira(26), assim que for instalada a comissão, apresentará a metodologia que usará para dirigir os trabalhos. Nesta terça-feira (25), ela passou estudando com a assessoria jurídica as dezenas de pessoas que serão ouvidas. "Usaremos uma sistemática especial porque teremos muito trabalho para ouvir em apenas 120 dias cerca de sessenta pessoas entre indiciados e testemunhas”, afirmou.

A deputada estava ordenando os depoimentos e as pessoas a serem inquiridas baseada na documentação da ação civil pública que tramita na 3ª Vara Federal de Santa Maria. Stela adiantou saber que precisa ainda aprovar esta lista entre os membros da CPI e que alguns requerimentos serão negados pela base aliada do governo. Fatos novos revelados no depoimento de ex-presidentes do DETRAN serão acrescentados a investigação.

Assinado: Goela rotunda

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Duas por semana é o mínimo


Duas reuniões por semana, pelo menos. Esta é a previsão da deputada Stela Farias para a CPI da Corrupção. Futura presidente da comissão, Stela não descarta, ainda, a possibilidade de convocar encontros extraordinários devido à complexidade do tema e ao curto período para concluí-los. As audiências serão nas segundas-feiras, a partir das 14h, e às quintas-feiras, a partir das 18 horas.

A deputada pretende começar os trabalhos ouvindo os ex-presidentes do Detran Estella Maris Simon e Sérgio Buchmann e o atual presidente da autarquia, Sérgio Fernando Filomena.

Os 12 integrantes


PT: Stela Farias e Daniel Bordignon
suplentes: Ronaldo Zulke e Fabiano Pereira

PMDB: Gilberto Capoani e Sandro Boka
suplentes: Alceu Moreira e Álvaro Boessio

PSDB: Adilson Troca e Coffy Rodrigues
suplentes: Zila Breitenbach e Jorge Gobbi

PP: João Fischer e Pedro Westphalen
suplentes: Jerônimo Goergen e Silvana Covatti

PDT: Gilmar Sossela / suplente: Paulo Azeredo

PTB: Iradir Pietroski / suplente: Luís Augusto Lara

DEM:Paulo Borges / suplente: Marquinho Lang

PPS: Luciano Azevedo / suplente: Carlos Gomes

Tudo pronto para quarta-feira


Resultado da persistência de deputados que, desde o início do ano, sustentam a necessidade da CPI da Corrupção, a comissão começará a funcionar nesta quarta-feira, dia 26 de agosto, quando ocorrerá a audiência de instalação, marcada para depois da sessão plenária.

Em quatro meses de trabalho, a futura presidente da CPI, Stela Farias, pretende ouvir 60 pessoas, entre convidados e convocados, mas o número e os nomes das testemunhas ainda dependem da aprovação dos 12 integrantes da comissão.

Apesar da maioria governista, são 8 contra 4, e das ameaças de blindagem do governo, Stela não acredita em boicote sistemático por parte destes parlamentares. "É claro que haverá disputa, mas vamos apostar no bom senso", anunciou a deputada.

Nesta segunda-feira, Stela esteve em Santa Maria conversando com a juíza federal Simone Barbisan Fortes, responsável por julgar o processo de improbidade administrativa contra a governadora e mais oito pessoas impetrado pelo Ministério Público Federal. De acordo com a petista, "o encontro foi muito positivo e deve permitir que, dentro de uma relação republicana e responsável, obtenhamos as informações que interessam ao foco de investigação da CPI e possam embasar o trabalho dos parlamentares”.
Stela também manteve audiência com a procuradora federal Jerusa Burmann Viecili, designada pelo MPF para atuar nas investigações da Operação Rodin.,

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Sugestão para a governadora


Leitor do blog Zero Corrupção manda uma sugestão para a governadora: participar do Festival da Mentira de Nova Bréscia.

Ele tem certeza de que a governadora é fortíssima candidata ao primeiro lugar, concedido pelos jurados a quem contar a melhor mentira.

Para quem gosta de falsas histórias, o festival é um prato cheio, não?

CPI será instalada na quarta

A CPI da Corrupção será instalada na próxima quarta-feira (26), às 17h, na sala da presidência, após a sessão plenária. A instalação será feita pelo presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ivar Pavan (PT), na presença dos 12 parlamentares titulares e 12 suplentes, indicados pelas bancadas. Eles serão empossados no mesmo ato e poderão realizar a primeira reunião oficial para deliberar sobre a votação do vice-presidente e do relator.

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

José Otávio Germano será convidado a depor


Depois de passar oito meses calado, sem se manifestar na tribuna da Câmara Federal, o deputado José Otávio Germano poderá, finalmente, falar.

O ministro Marco Aurélio Mello autorizou pedido do MPF para que o parlamentar seja convidado a prestar depoimento em inquérito resultante do desmembramento da Operação Solidária.

O MPF também solicitado o depoimento do empresário Marco Antônio Camino, dono da MAC Engenharia, suspeita de participar do esquema montado para fraudar licitações de obras públicas no Estado.

Por conta própria?


Apesar das frequentes viagens de Walna Vilarins Meneses a Brasília, o site Transparência RS, lançado na última terça-feira, não exibe o nome da assessora especial da governadora Yeda Crusius na relação dos servidores que ganharam diárias do tesouro estadual.

Segundo a Casa Civil, Walna costuma viajar por conta própria.

Lembram daquele ditado que diz "não existe almoço grátis"?

Uma imagem vale por mil palavras




Se alguém não conhece, eis o deputado Coffy Rodrigues, indicado pelo PSDB para ser o relator da CPI da Corrupção, de braços dados com a governadora Yeda Crusius

Quatro motivos impedem Coffy Rodrigues de ser o relator da CPI

O deputado Daniel Bordignon fez, nesta quinta-feira (20), um apelo ao tucano Coffy Rodrigues para que este desista de ser o relator da CPI da Corrupção. Segundo Bordignon, Rodrigues não teria "a isenção necessária para ocupar o cargo", por, basicamente, quatro motivos:

-Rose Bernardes, uma das indiciadas na Operação Solidária, foi secretária adjunta quando Coffy Rodrigues foi secretário Obras do governo Yeda Crusius. A ex-servidora tem relação com a representante da Magna Engenharia, Neide Bernardes, também indiciada, que por sua vez tem relação com a assessora especial da governadora, Walna Meneses, outra das indiciadas;

-Coffy Rodrigues é do PSDB, o mesmo partido da governadora, que é ré na ação de improbidade administrativa ajuízada pelo MPF;

-Coffy Rodrigues foi secretário de Habitação em Canoas, município envolvido nas fraudes investigadas pela Operação Solidária e onde Chico Fraga, outra peça-chave nos esquemas de corrupção montados no Estado, dava as cartas;

-Ex assessor de Coffy Rodrigues na secretaria de Obras e assessor do parlamentar na Assembleia Legislativa, Alexandre Moreira é acusado por Lair Ferst de ter ido a Santa Cruz buscar, pessoalmente, os R$ 400 mil doados á campanha de Yeda por empresas fumageiras e que teriam sido usados na campra da casa do casal Crusius.

Poucas palavras


Segundo deputado federal mais votado no Rio Grande do Sul, José Otávio Germano, tem fugido da tribuna da Câmara Federal. Entre setembro 2007 e maio de 2008, o silêncio do parlamentar foi total: nenhum pronunciamento. Em 2009, José Otávio ocupou a tribuna apenas seis vezes.

O último discurso do pepebista, antes da deflagração da Operação Rodin, em novembro de 2007, foi dia 18 de setembro daquele ano, em uma sessão em que homenageou o grupo RBS, da qual o presidente da empresa, Nelson Sirotsky, o vice-presidente executivo, Pedro Parente, e o diretor do grupo em Brasília, Paulo Tonet Carmargo, participaram. Depois disso, Germano calou longos oito meses.

Por coincidência, numa das tantas conversas com Antônio Dorneu Maciel, grampeadas com autorização da justiça, José Otávio comenta que as publicações do grupo RBS estavam muito fortes e que seria preciso uma conversinha com a família Sirotsky.

Depois deste dia, Germano voltou a falar somente em 27 de maio do ano passado para anunciar a 15a. Festa Nacional do Arroz, em sua cidade natal, Cachoeira do Sul.

Nos oito meses de 2009, ele ocupou a tribuna apenas seis vezes.

Assinado: Goela rotunda

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

O que está faltando?

O deputado Raul Pont voltou a pedir explicações do governo estadual sobre os motivos que justificam a permanência da assessora especial da governadora na função, mesmo depois de constar como ré na ação por improbidade administrativa impetrada pelo Ministério Público Federal e de ter sido indiciada pela Polícia Federal. "Walna Meneses é acusada de corrupção passiva, formação quadrilha e de participação na fraude do Detran. O que falta mais para ser afastada do Palácio Piratini?", perguntou o petista.

Para o parlamentar, o fato de nenhum membro da base aliada subir à tribuna para defender o governo tucano reflete a falta de legitimidade da gestão comandada por Yeda Crusius. "O povo gaúcho está sendo bombardeado diariamente com notícias sobre quadrilheiros, réus, servidores acusados de corrupção, ameaças, chantagens e o governo faz de conta que não tem nada a ver com isso. É inacreditável".

Goela rotunda


Nosso blog tem um (a) novo (a) colaborador (a) que prefere manter-se no anonimato por motivos profissionais. Respeitando este desejo, pedimos que adotasse um pseudônimo para assinar os posts. Ele (a) escolheu ‘goela rotunda’, uma livre adaptação castelhana do codinome ‘garganta profunda', a fonte dos jornalistas Bob Woodward e Carl Bernstein no escândalo de Watergate.

Aliás, o caso que levou à renúncia do presidente Richard Nixon e à prisão de vários de seus assessores parece brincadeira de criança se comparado ao que está sendo patrocinado pelo governo Yeda Crusius

Composição da CPI pode mudar


As bancadas do PT, PDT, PSB e PCdoB estão ingressando, neste momento, com um mandado de segurança junto ao Tribunal de Justiça do Estado solicitando alteração na composição da CPI da Corrupção. Os partidos de oposição reivindicam mais duas vagas, que seriam destinadas ao PDT e ao PCdoB. Se deferido o pedido, o PSDB perderia uma indicação e o PPS a outra.

O principal argumento é que a formação atual não respeita o critério de proporcionalidade das bancadas nem o direito das minorias parlamentares.

Tucanos aquecem mercado imobiliário


A governadora Yeda Crusius não é a única tucana que comprou uma mansão avaliada em mais de R$ 1 milhão nos últimos dois anos. Conforme o Novojornal, publicado em Minas Gerais, o governador mineiro comprou, por R$ 12 milhões, o apartamento que pertenceu a seu avô Tancredo Neves.

O crescimento do patromônio de Aécio Neves que, segundo consta, jamais exerceu qualquer atividade empresarial, comercial ou industrial e, desde 1983, ocupa cargos públicos, chama a atenção.

Não há notícias de que o governador tenha acertado sozinho na mega-sena, mas sua declaração ao TRE/MG em 2006 notifica um patrimônio total de R$ 831.800,53. "Somente três anos depois de eleito para o segundo mandato, o governador mineiro, apenas em uma aquisição, conseguiu ampliar 50 vezes seu patrimônio imobiliário, comprando a participação de todos os herdeiros de seu avô Tancredo no luxuoso apartamento situado em Copacabana, na cidade do Rio de Janeiro. O total pago foi de R$ 12 milhões, à vista", diz o jornal.

Tá certo que os mineiros são conhecidos por gostarem de economizar, então Aécio Neves poderia ensinar ao povo brasileiro como realizar esta façanha.

Assinado: goela rotunda

terça-feira, 18 de agosto de 2009

E a CPI nem começou...


A CPI nem foi instalada oficialmente e o deputado Luiz Fernando Zachia já deu o primeiro depoimento. Visivelmente transtornado, subiu a tribuna da Assembleia para defender-se das acusações feitas pelo Ministério Público Federal. Num ato falho, disse que encontrou apenas três minutos de gravações de conversas em que aparece, de um total de 20 mil grampos telefônicos.

Só não disse que, em três minutos, se pode falar muita coisa comprometedora e, tampouco, mencionou as vezes em que foi citado por outros interlocutores réus que nem ele no escândalo do Detran.

Walna tenta despistar fotógrafos


Conhecida por ser uma pessoa discreta e avessa a fotografias, Walna Menezes chegou à sede da Polícia Federal, onde tinha depoimento marcado, com uma hora de antecedência. Acompanhada pelo seu advogado, entrou pela garagem do prédio para despistar jornalistas e fotógrafos.

Aliás, nosso blog procurou no site do governo estadual fotos e matérias relacionadas à principal assessora da governadora Yeda Crusius. O resultado da busca é nenhuma foto e apenas uma matéria desde o dia 1º de janeiro de 2007, quando Yeda Crusius assumiu o Palácio Piratini.

Curiosamente, a única menção a Walna Menezes é numa nota oficial assinada pelo chefe da Casa Civil atestando, com base em uma certidão emitida pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região RS, a inexistência de qualquer investigação em curso relativa à servidora.

Depois desta manifestação da Casa Civil, Walna já virou ré na ação por improbidade administrativa ajuízada pelo Ministério Público Federal e agora foi indiciada pela PF.

Com a palavra o chefe da Casa Civil, José Alberto Wenzel

Depois do silêncio, Walna é indiciada pela PF

A assessora especial de Yeda Crusius, Walna Vilarins, deixou a Polícia Federal como indiciada por corrupção passiva e formação de quadrilha. Walna, que tinha sido chamada a depor na tarde desta terça-feira (18), na sede da PF, em Porto Alegre, preferiu permancer em silêncio e não respondeu às perguntas dos investigadores. Se a intenção era não se comprometer mais, não adiantou. Walna Vilarins não escapou de mais um indiciamento.

Tática do quero-quero


O deputado Ronaldo Zulke acusou o senador Pedro Simon (PMDB) de usar a tática do quero-quero. Pássaro símbolo do Rio Grande do Sul, o quero-quero costuma fazer ninho em um local, mas cantar longe como forma de despistar seus predadores. "Simon está cantando em Brasília mas não diz nada sobre os escândalos que estão ocorrendo aqui na gestão de Yeda Crusius", cobrou o líder do governo Lula na Assembleia.

Zulke ainda caracterizou a performance de Simon na tribuna do senado como "midática". "Ele espera a hora certa para discursar e polemizar com alguém em busca de holofotes", afirmou, questionando: "Qual foi mesmo o último projeto ou ação política do senador Simon em benefício dos gaúchos?"

Ninguém da bancada peemedebista respondeu.

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Procurador-geral da República recebe deputados gaúchos


Será na quarta-feira, dia 19, o encontro dos deputados gaúchos com o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, para discutir a ação encaminhada pelo MPF contra a governadora e outros oito réus. O encontro foi confirmado nesta segunda-feira e atende uma solicitação encaminhada pelos líderes das bancadas do PT, PDT, PCdoB e PSB. Os parlamentares também querem informações sobre o andamento da Operação Rodin no âmbito da PGR.

Defesa de Yeda sofre revés

Não funcionou a tentativa do advogado Fábio Medina de livrar a governadora da ação apresentada pelo Ministério Público Federal. Na última sexta-feira, a juíza Simone Barbisan Fortes, da 3ª Vara da Justiça Federal de Santa Maria, declarou-se competente para julgar ações de improbidade administrativa de réus com foro privilegiado.O advogado argumentava que Yeda só poderia ser julgada no STF, beeem longe do Rio Grande do Sul.

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Fora Yeda



O medo de aglomerações devido à possibilidade de contágio pelo vírus H1N1 não impediu que a Praça da Matriz, situada em frente à sede do governo gaúcho, lotasse de manifestantes que exigiam o impeachment de Yeda Crusius. No ato público, realizado nesta sexta-feira (14), ao meio-dia, os ativistas que usaram máscaras aproveitaram para mandar um recado extra para a governadora.

Primeiros depoimentos

Na opinião do líder da bancada do PT, Elvino Bohn Gass, as primeiras testemunhas que devem ser ouvidas pela CPI da Corrupção são os ex-presidentes do Detran Estella Maris Simon e Sérgio Buchmann. Ao deixarem a autarquia, ambos denunciaram que vinham sofrendo pressões por parte do alto escalão do Palácio Piratini para pagar uma dívida de R$ 16 milhões com a empresa Atento Service, cuja legitimidade foi questionada pelos dois.

A divergência sobre a conta cobrada pela Atento - empresa responsável pelo recolhimento e depósito dos veículos - culminou na saída de Estela e Buchmann do governo de Yeda Crusius, já que a chefe do Executivo defendia o pagamento da dívida.

No dia 11 de agosto último, a Justiça proibiu o Estado de pagar os R$ 16 milhões, argumentando que há indícios de irregularidades no caso. O fato integra o item d do requerimento que pede a abertura da Comissão Parlamentar de Inquérito.

26 de agosto é o dia

Com o deferimento do pedido para instalação da CPI da Corrupção, anunciado nesta sexta-feira pelo presidente da Assembleia, Ivar Pavan, a próxima semana será dedicada à escolha dos integrantes. A comissão será composta por 12 parlamentares - dois do PT, do PMDB, do PP e do PSDB e terá um representante do PDT, do PTB, do DEM e do PPS.

Após a indicação dos nomes dos deputados, haverá prazo de três dias para que a CPI seja instalada. A previsão é que a primeira sessão ocorra dia 26 de agosto.

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Desastre e desespero



O deputado Daniel Bordignon, que juntamente com a deputada Stela Farias representará a bancada do PT na CPI da Corrupção, classificou a atitude do tucano Coffy Rodrigues - que entregou ao presidente da Assembleia um pedido de impeachment do vice-governador Paulo Feijó - de "desesperada e desastrada". Para o petista, a ação só tem um objetivo: melar as investigações das denúncias de corrupção que atingem o governo de Yeda Crusius.

Palhinha


Apontado tanto na Operação Rodin - que investigou a fraude no Detran - como na Operação Solidária - que investigou fraudes em licitações públicas sob responsabilidade do Estado - como peça fundamental na engrenagem da corrupção - Chico Fraga aparece com destaque nas conversas entre Lair Ferst e Marcelo Cavalcante que integram a ação do Ministério Público contra a governadora Yeda Crusius, seu ex-marido e mais sete pessoas.

Em um dos telefonemas, o ex-representante do Estado em Brasília fala da amizade iniciada com Fraga no período da pré-campanha, consolidada durante a campanha e azedada depois da eleição, quando Chico Fraga começou a cobrar a conta da sua colaboração.

Marcelo Cavalcante também comenta que Chico Fraga - acobertado por Walna Menezes e Delson Martini, estava despachando no Palácio Piratini, causando espanto, inclusive, em deputados e senadores. Os parlamentares, de acordo com Cavalcante, estavam reclamando que, ao chegarem no Piratini para conversarem com a governadora eram recebidos por Fraga e não por Yeda.

Para quem tinha alguma dúvida da influência de Chico fraga sobre o governo gaúcho, esta é só uma palhinha.

Incoerência


Os movimentos políticos Pedro Simon são cada vez mais incoerentes. Em nota distribuída por sua assesoria de imprensa, o senador afirma que “não espero nada do Congresso Nacional, e nem dos poderes Executivo e Judiciário. Apenas o povo nas ruas, os jovens e os trabalhadores poderão pressionar pela mudança no sentido da ética e da dignidade nacionais”.

Se o raciocínio de Simon valesse também para o Rio Grande do Sul, o senador seria presença confirmada amanhã. no ato público convocado pela CUT, Coordenação dos Movimentos Sociais (CMS) e o Fórum de Servidores Públicos Estaduais, em frente ao Palácio Piratini.

A concentração está marcada para as 11h. Segundo representantes dos movimentos, "é chegada a hora de toda a sociedade gaúcha se unir aos trabalhadores através da ampliação de mobilizações sociais, exigindo o impeachment da governadora Yeda Crusius".

O mesmo discurso de Simon em Brasília.

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Sem maldade, Crusius


É impossível não deixar de lembrar, neste momento em que o teor de conversas telefônicas entre Lair Ferst e Marcelo Cavalcante está vindo à tona, da carta divulgada pelo ex-marido da governadora ao ser informado da morte do ex-assessor de Yeda.

Quando soube que o corpo de Cavalcante tinha sido encontrado boiando no Lago Paranoá, em Brasília, Carlos Crusius reagiu com violência, culpou a oposição pela fatalidade e classificou o amigo de "um menino puro, sem maldades".

Pois é a voz deste menino grande que aparece nas gravações incluídas na ação do MPF afirmando que o então marido da candidata tucana ao Piratini teria levado dinheiro que empresários doavam à campanha da sua mulher. Ele também diz que a casa que a família Crusius comprou logo após a eleição custou R$ 1 milhão - e não R$ 750 mil, como alega o casal, e que o apartamento de Capão da Canoa é uma incógnita.

Nada disso é novidade para quem acompanhou a CPI do Detran. A novidade é que, agora, quem está dizendo é o "menino sem maldade", não a oposição virulenta.

Oposição quer reabrir o processo da casa



O líder da bancada do PT anunciou nesta quarta-feira (12) que os partidos de oposição irão pedir ao Ministério Público Estadual a reabertura do processo de investigação sobre a aquisição da compra da casa da governadora. Segundo Elvino Bohn Gass, a solicitação está embasada nos novos fatos divulgados com a ação de improbidade administrativa ajuízada pelo Ministério Público Federal.

Os deputados de oposição também pretendem ir a Brasília para uma audiência com o Procurador Geral da República, cuja pauta é a compra do imóvel pelo casal Crusius meses depois de encerrada a campanha eleitoral.

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Citação caluniosa



Ex-presidente da CPI do Detran, o deputado Fabiano Pereira (que na foto aparece acompanhando a entrevista coletiva concedida pelo Ministério Público Federal dia 5 último) divulgou nota oficial no final da tarde desta terça-feira anunciando que está estudando a forma legal de interpelar quem o citou em conversas telefônicas interceptadas pela Polícia Federal e que integram a ação ajuízada pelo Ministério Público Federal contra a governadora e mais oito pessoas.

Conforme a nota, "trata-se, obviamente, de uma citação caluniosa, que se agrega a um conjunto de pressões que sofri com vistas a me intimidar naquele momento em que dirigi com zelo, isenção e compromisso público um inquérito que resultou em esclarecimentos importantes sobre o esquema fraudulento que funcionava no Detran gaúcho, com repercussões que ainda estão longe de se concluir".

Verdade está aparecendo há tempos



Ao comentar as declarações do chefe da Casa Civil, José Alberto Wenzel, que após a decisão da juiza Simone Barbisan Fortes de não afastar a governadora do cargo neste momento, disse que "a verdade está aparecendo", o deputado Daniel Bordignon que, juntamente com Stela Farias, representará o PT na CPI da Corrupção, rebateu: "a verdade está aparecendo há tempos. O governo é que faz de tudo para escondê-la".

Questão central


Um dos mais experientes parlamentares da Assembleia, o deputado Raul Pont alertou hoje para o verdadeiro teste que o Legislativo tem frente com a CPI da Corrupção e a análise de um pedido de impeachment da governadora. "Temos que enfrentar este desafio com a convicção de que estamos cumprindo com a nossa função de fiscalizar os atos do Executivo. O conjunto de gravações que embasa a ação do Ministério Público expressa a forma como um grupo de gestores, eleitos para zelar pelo Estado, estava e está tratando a coisa pública. Esta é a questão central que deve nortear o nosso trabalho, que não pode se perder em debates menores", argumentou o petista.

Juridiquês


Nada como uma longa polêmica jurídica para cansar e afastar o interesse público sobre um tema. Parece que esta deverá ser a tática adotada pelo novo advogado da governadora, Fábio Medina Osório.

Conhecedor das questões que envolvem o Detran, já que foi adjunto de José Otávio Germano na Secretaria de Segurança Pública, o jurista resolveu desviar o foco do debate para a competência ou não do Ministério Público Federal incluir a governadora em uma ação de improbidade administrativa.

Ou seja, o mérito da questão, se a governadora está ou não envolvida em um esquema de corrupção montado no Estado parece ser uma questão absolutamente secundária para o doutor Medina.

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Empenhada em melar


A líder da bancada do PSDB, Zilá Breitenbach, está empenhada em melar a CPI. Hoje, ela entregou ao presidente da Assembleia Legislativa, Ivar Pavan, requerimento pedindo a rejeição da Comissão Parlamentar de Inquérito.

O argumento da tucana é que o pedido de instauração da CPI “não descreve fato concreto e determinado e faz transparecer o desejo de exclusivamente re-investigar fatos já esgotados nas searas competentes”.

Para o deputado Daniel Bordignon, que deverá representar a bancada do PT na CPI junto com a deputada Stela Farias, trata-se de uma tentativa melancólica de melar as investigações. "Querem mais fatos do que os já denunciados até aqui?", ironizou o parlamentar.

Yeda admite cair, mas não sozinha


A conversa que a governadora vem aplicando na população gaúcha - as denúncias são requentadas, tudo não passa de armação política,o MPF extrapolou, blá, blá, blá - é bem diferente do que ela tem confidenciado para seus colegas tucanos. Reunida com a cúpula do PSDB no final de semana, Yeda Crusius avisou: "não vou cair sozinha".

E foi além: "Se existem irregularidades, começaram no governo do PMDB. As pessoas vão saber."

Parece que Yeda, da mesma forma que fizeram seus assessores mais próximos quando deixaram o governo, vai sair atirando. Talvez, isso explique a resistência do senador Pedro Simon, sempre ávido por CPIs, em aceitar a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar a gestão tucana no RS.

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Uma saída digna para quem tem vergonha na cara

Jaime Neto Júnior é um dos mais respeitáveis técnicos do atletismo brasileiro. Trouxe para o Brasil uma medalha de bronze em 1996 e uma de prata em 2000. Por sugestão de um médio fisiologista, concordou com a aplicação em três atletas de uma substância para acelerar a recuperação da fadiga muscular.

O tratamento, no entanto, foi considerado dopping, e os três atletas afastados das provas. Jaime também foi punido, mas não culpou o médico, nem a imprensa, nem o Ministério Público Federal do RS e nem o ministro da Justiça por ter permitido o uso da medicação. Tampouco, atribuiu a descoberta a uma conspiração para desestabiliza-lo. Assumiu a responsabilidade pelo que fez, matou no peito com toda a dignidade e está abandonando a profissão.

-Não tenho mais cara para encarar as pessoas. Fui imbecil, permissivo, incompetente.



A governadora Yeda Crusius deveria ouvir menos seus sequazes e advogados e procurar inspiração no mundo dos esportes. Talvez, encontre lá uma saída mais digna.

A turma do mal apresenta suas armas

Mesmo sem ter assinado o requerimento da CPI, o PSDB já está se preparando para entrar em campo para defender a governadora Yeda Crisius. A presidente regional do partido, Zilá Breitenbach, antecipou que irá mostrar que “a função desta CPI não é esclarecer, mas fazer palanque político”.

Traduzindo, a arma escolhida pelos tucanos será a obstrução das investigações.

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Imperdível

Não percam! Hoje, às 20h, a governadora Yeda Crusius concederá entrevista ao jornal TVCOM.

Bobinha?


A governadora Yeda Crusius está, literalmente, se fazendo de boba ao afirmar que não sabe por que o Ministério Público Federal ingressou com uma ação por improbidade administrativa contra ela e mais oito pessoas. Por conta do sigilo judicial que cobre às investigações da Operação Rodin, os procuradores da República não entraram em detalhes, mas afirmaram com todas as letras que os réus são acusados de receber propina, operar esquema para fraudar os cofres públicos ou intermediar propina. Mais claro impossível: a governadora está sendo acusada de, pelo menos, um destes delitos.

Encarnando o papel de dama ofendida, Yeda, agora, promete fazer queixa dos procuradores gaúchos ao Conselho Superior do Ministério Público Federal. Deveria, ao invés disso, procurar um novo advogado.

Totalização do dia: 38 assinaturas


Assim como os deputados João Fischer e Adolfo Brito - na foto com os petistas Stela Farias e Elvino Bohn Gass - outros quatro parlamentares do PP assinaram o requerimento da CPI da Corrupção nesta quinta-feira: Mano Changes, Jerônimo Goergen, Francisco Appio e o ex-presidente da Assembleia Frederico Antunes.

Do PTB, vieram as assinaturas dos deputados Abílio dos Santos, Aloísio Classmann e Cassiá Carpes. No PMDB, todos os nove parlamentares assinaram. Com isto, o dia fechou com 38 assinaturas, 18 a mais do que na manhã de hoje.

Dois reus estão entre os que aderiram ao requerimento: Frederico Antunes e Luiz Fernando Zácchia.

Primeira sessão deve ocorrer dia 20 de agosto


Em entrevista logo após a entrega do requerimento que solicita a abertura da CPI da Corrupção ao presidente da Assembleia, Ivar Pavan, a deputada Stela Farias adiantou que a primeira sessão da comissão deve ocorrer dia 20 de agosto.

Autora do requerimento que pede a CPI e primeira parlamentar a subscrever o documento, Stela deve ser a presidente da comissão, conforme reza a tradição da Assembleia Legislativa.

Para diminuir o estresse, governadora, é só assinar

Já circula pela internet um modelo de requerimento para tornar públicas as acusações que pesam contra Yeda Crusius e as provas que embasam a ação por improbidade administrativa, movida pelo Ministério Público Federal, contra a governadora e mais oito pessoas.

Como Yeda alega não saber do que está sendo acusada, é só assinar o pedido de levantamento do sigilo do processo para que ela e toda a sociedade gaúcha tomem conhecimento dos fatos.

Então, governadora, para diminuir o estresse e elucidar o mistério, é só imprimir e assinar o requerimento que reproduzimos abaixo:


Exma. Dr. Juiza Federal da 3ª Vara Federal de Santa Maria
Dra. Simone Barbisan Fortes

Eu, YEDA RORATO CRUSIUS, Governadora do Estado do Rio Grande do Sul que abaixo
assina, tendo em vista estar sendo processada por Improbidade Administrativa em ação movida pelo Ministério Público Federal, e tendo em vista a absoluta transparência que sempre afirmei manter na vida pública AUTORIZO expressamente que V. Exa. torne públicas as acusações e as provas que afirmam existir a respeito de minha pessoa, como melhor forma de esclarecer a sociedade sobre os negócios deste Governo.
Rogo a V. Exa. que atenda este pedido, pois o povo deste País merece conhecer todos os
fatos e todas as circunstâncias deste processo.

Yeda Crusius
Governadora do Estado

Requerimento será protocolado hoje, às 14h

Os deputados que defendem a instalação da CPI da Corrupção irão entregar às 14h, ao presidente do Legislativo, Ivar Pavan, o requerimento que pede a abertura da comissão. O documento é subscrito por 20 parlamentares.

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

CPI será instalada


Após a manifestação do Ministério Público Federal, os deputados pedetistas Gerson Burmann, Giovani Cherini e Kalil Sehbe resolveram assinar o requerimento solicitando a abertura da CPI da Corrupção na Assembleia Legislativa. Com a decisão, o documento passa a contar com 20 apoiadores, um a mais do mínimo necessário para instalar a Comissão Parlamentar de Inquérito. Os outros três parlamentares do PDT - Adroaldo Loureiro, Gilmar Sossella e Paulo Azeredo já tinham subscrito o documento.

Patética


Simplesmente patética a entrevista concedida pelo chefe da Casa Civil, José Carlos Wenzel, em defesa da governadora. Depois de desfiar as usuais desculpas esfarrapadas que não guardam nexo entre si - "não há nada de novo na denúncia do MPF e o governo está às ordens para esclarecer qualquer dúvida" - Wenzel disse que, ao invés de ser afastada, a governadora merece "gestos de louvor" por estar reestruturando o Detran, de onde foram desviados mais de R$ 44 milhões.

Parece que o baque do anúncio do MPF afetou seriamente a capacidade de discernimento do secretário, que ainda não caiu na real.

Sem moleza




Tudo indica que a ação civil por improbidade administrativa, movida pelo MPF contra a governadora e mais oito pessoas, foi muito bem embasada. São mais de 1200 páginas, 20 mil áudios analisados e a disposição dos procuradores em fazer cumprir a lei. "Não haverá moleza para estes réus, como não há moleza para nenhum criminoso que comete ato de improbidade", disse o procurador da República Adriano Raudi à imprensa na tarde desta quarta-feira.

Bomba


O anúncio do Ministério Público Federal, nesta quarta-feira (5), soou como uma bomba nas imediações da Praça da Matriz. Atingiu em cheio os alicerces do governo tucano e, ainda, lançou estilhaços na Assembleia Legislativa.

Os procuradores pediram o afastamento da governadora Yeda Crusius, o bloqueio de seus bens e o ressarcimento dos recursos desviados do Detran. A ação civil por improbidade administrativa, ajuizada na Justiça Federal de Santa Maria, envolve também o ex-marido da governadora Carlos Crusius, o ex-secretário Délcio Martini, o presidente do Banrisul, Rubens Bordini, a assessora Walna Meneses, o deputado federal José Otávio Germano (PP), os deputados estaduais Luiz Fernando Záchia (PMDB) e Frederico Antunes (PP) e o presidente do TCE, João Luís Vargas. São acusados de receber propina, operar o esquema de desvio de recursos públicos ou intermediar a propina.

Logo depois da manifestação do MPF, uma salva de foguetes foi disparada em frente ao Palácio Piratini.

Explicação


A explicação para o comportamento arredio da governadora - não foi na reunião do Conselho Político, esteve ausente do lançamento da Expointer e viajou às pressas para Canela - pode vir hoje à tarde, às 15h, quando a força-tarefa do Ministério Público Federal encarregada das investigações da Operação Rodin concederá uma coletiva para anunciar o resultado do trabalho.

Forte expectativa ronda a Praça da Matriz. Apesar do Ministério Público não ter adiantado o conteúdo da coletiva, a oposição acredita que o que vem pela frente é pesado e tem poder para mudar o cenário político do Rio Grande do Sul.

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Esta não!


A posição do senador Pedro Simon - que em Brasília pede a renúncia do presidente do Senado, José Sarney e, no Rio Grande do Sul, diz que a governadora é vítima de "onda de denuncismo", tem chamado a atenção até dos seus companheiroas de partido, como o senador Welington Sagado (PMDB/MG), que classificou a postura de Pedro Simon como bipolar.

O assunto repercutiu na sessão desta terça-feira na Assembleia, a primeira depois do fim do recesso parlamentar. O deputado Raul Pont não deixou passar sem resposta as provocações da base aliada de que o PT também sofre do mesmo mal só que ao contrário - defende Sarney em Brasília e denuncia a prática corrupta do governo Yeda Crusius aqui.

"Em primeiro lugar, não foi o PT que elegeu o Sarney. Nosso candidato para presidir o Senado era o Tião Viana; em segundo lugar, a bancada do PT no Senado defende o afastamento de Sarney e, em terceiro lugar, se o PMDB quer nos dar uma lição de moral, que antes expulse Sarney do partido. Não vamos aceitar esta pecha de que é o PT que defende Sarney. Esta não"!

Me caiu os butiá do bolso

Foi demais pra mim, caiu meu queixo, fiquei de boca aberta, caiu a minha cara, fiquei atônito, fiquei estupefato, uma barbaridade, foi o cúmulo, foi a gota d'água, um deboche com o Rio Grande do Sul...

Você pode escolher sua expressão preferida para definir o que aconteceu ontem (3), durante a reunião do Conselho Político do Piratini, quando a governadora Yeda Crusius não compareceu e mandou seu chefe de gabinete, Ricardo Lied, representá-la.

O desrespeito de Yeda com uma instância que tem a função de analisar e apontar saídas para as trapalhadas políticas protagonizadas pelos inquilinos do Piratini não passou em branco para, pelo menos, dois partidos da base aliada - dirigentes do PP e do PPS criticaram a ausência da presidente do Conselho que, antes do encontro, tinha ressaltado a importância da primeira reunião pós recesso de julho.

O servidor que Yeda mandou no seu lugar é aquele mesmo que violou o Sistema Integrado de Consultas da Secretaria de Segurança, quando bisbilhotou a ficha do candidato do PT à prefeitura de Lajeado, Luís Fernando Schmidt, e tentou avisar um traficante da sua prisão iminente.

Bom, um representante à altura da sua chefe e indigno do povo gaúcho.