segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Convocação de Walna é recusada por governistas


O depoimento de Walna Vilarins Meneses, ex-assessora especial da governadora Yeda Crusius, indiciada na Operação Solidária e denunciada por improbidade administrativa pelo Ministério Público Federal, também foi vetado pelos governistas que integram a CPI da Corrupção.

Walna está de férias do Palácio Piratini e seu afastamento é visto como uma estratégia para evitar o aumento do desgste da governadora. Há especulações, inclusive, que ela vá ocupar a chefia do escritório de representação do Rio Grande do Sul em Brasília. O posto foi ocupado por Marcelo Cavalcante, cujo corpo foi encontrado boiando em um lago da capital federal em fevereiro deste ano.

Walna aparece em diversas gravações interceptadas pela Polícia Federal tanto na Operação Rodin como na Solidária.

O requerimento que solicitava informações do governo estadual sobre a existência de contratos, em vigor ou vencidos, com 12 empresas acusadas de envolvimento com a fraude no Detran também foi rejeitado pelos yedistas. Deputados do PP, PMDB, PTB, PPS e PSDB ainda votaram contra a convocação do ex-secretário de Transparência Carlos Otaviano Brenner de Moraes, do chefe de gabinete da governadora, Ricardo Lied, e do diretor da empresa Atento, Gilson Justo.
A convocação da viúva de Marcelo Cavalcante, Magda Koenigkan, não pode ser votada por falta de quórum.

Um comentário:

van-poa-rs disse...

Deplorável as participações do G-8 na sessão da CPI de hoje! Iradir P. e Fixinha são patéticos! O Adilson Troca é um trapalhão: não diz coisa com coisa!!! Sem falar no desrespeito que a base governista demonstrou com a Presidente da mesa e, com todos os que assistiam pela TV Assembléia!