quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Genilton Ribeiro, que sabia da casa e da propina, depõe amanhã


A primeira testemunha a depor na CPI da Corrupção será o secretário adjunto e diretor geral da Administração e dos Recursos Humanos, Genilton Macedo Ribeiro. A reunião será realizada nesta quinta-feira (1º) a partir das 18h.

Segundo informou o ex-presidente do Detran Sérgio Buchmann à Polícia Federal, Ribeiro teria dito que 24% do movimento financeiro gerado pela terceirização dos serviços da autarquia, via fundações, seriam divididos entre o empresário Lair Ferst, que receberia 12%, e os demais participantes do esquema, que ficariam com percentual idêntico. Após a troca das fundações no começo do governo Yeda, Carlos Crusius teria alterado a partilha, ficando a governadora com 11% e reservando apenas 1% para Ferst. A estimativa é de que o montante desviado por mês da autarquia tenha chegado a R$ 2 milhões.

Segundo Buchmann, a conversa com o secretário adjunto teria ocorrido na sala dos Sala dos Mapas, localizada no subsolo do Palácio Piratini. Ainda conforme o ex-presidente da autarquia, Ribeiro ordenou que ele (Buchmann) “calasse a boca” e não falasse mais com a imprensa sobre problemas do Departamento de Trânsito.

De acordo com o depoimento de Buchmann à PF, Ribeiro tinha conhecimento das circunstâncias que envolviam a compra da mansão da governadora Yeda Crusius.

Um comentário:

Teresinha Carpes disse...

Querem apostar,que o Genildo vai calar!vai repetir a famosa frase:"NADA A DECLARAR",os parceiros da Pantalha,vão vibrar!!!