quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Boca aberta


O deputado Sandro Boka (PMDB) entregou a tática da base yedista na sua primeira intervenção na CPI da Corrupção, terça-feira (1) à noite. O peemedebista disse que não iria votar nenhum requerimento para convocação de testemunhas enquanto não fosse aprovado um plano de trabalho para a comissão de inquérito.

Acontece que a figura do tal plano não é prevista no Regimento Interno, que atribuiu à presidência da CPI a competência para conduzir os trabalhos. Está claro que a tática dos “yedistas” é prolongar o debate sobre picuinhas para não encarar a gravidade dos fatos.

Um comentário:

Klaus disse...

ACORDEM!!!

Não é "estranho" que no mesmo dia que sai uma coluna do Paulo Santanna defendo o governo, a "coitadinha" chore?

AGUARDEM OS JORNAIS AMANHÃ!!!

ARAMAÇÃO ORQUESTRADA!!!

A campanha para levar esse governo até o fim, está a pleno vapor!

ESTÁ NA HORA DE INVESTIGAR OS BRAÇOS MIDIÁSTICOS DAS FRAUDES!!!

ESTÁ NA HORA DE COMEÇAR A COBRAR ISENÇÃO DA IMPRENSA!!!

SÓ VOCÊS PODEM FAZER ISSO!!!

VAMOS LÁ!!!

MÃOS À OBRA!!!