terça-feira, 8 de setembro de 2009

Tranca CPI II



O relator da CPI expressou um entendimento no mínimo curioso sobre a decisão da juíza Simone Barbisan Fortes de liberar provas que se encontram na 3ª Vara Federal de Santa Maria. Conforme Coffy Rodrigues, o material foi disponibilizado apenas à presidenta da Comissão Parlamentar de Inquérito e, sendo assim, a deputada Stela Farias não poderia colocar os documentos à disposição dos membros da CPI.

É bom relembrar que, no início, a base de Yeda argumentava que a CPI não poderia ser instalada porque não existiam provas sobre as denúncias de corrupção que a CPI deve investigar. Agora, que as provas estão na Assembleia, eles dizem que chegaram de forma ilegítima e não podem ser acessadas por ninguém, além da presidenta da comissão.

Ao ouvir a manifestação de Coffy Rodrigues, o deputado Ronaldo Zulke se declarou perplexo.

Nenhum comentário: