segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Polícia terá mais 90 dias para investigar morte de Marcelo Cavalcante


Segundo nota publicada no jornal Correio do Povo do último sábado(3), o Ministério Público do DF concedeu mais 90 dias à Polícia Civil investigar a morte do ex-representante do governo Yeda Crusius em Brasília, Marcelo Cavalcante. Responsável pelo tema, o procurador Marcelo Leite Borges, também anunciou que não irá repassar informações sobre o caso para a CPI da Corrupção.

Requerimento para convocação da viúva de Cavalcante, cujo corpo foi encontrado boiando no Lago Paranoá, em Brasília, no dia 17 de fevereiro, aguarda para ser votado pela CPI da Corrupção. Em julho deste ano, quando esteve em Porto Alegre conversando com deputados empenhados em instalar a CPI da Corrupção, Magda Koenigkan confirmou que não acreditava na hipótese de suicídio e que o marido gostaria de ter comparecido à CPI do Detran para esclarecer fatos relacionados à fraude montada a partir da autarquia.

Um comentário:

Agente 65 disse...

Que coisa estranha, em fevereiro fará um ano da morte de Marcelo Cavalcante. Até o momento só se ouviu falar das fontes oficiais em suicídio. Vai fechar um ano a investigação de um simples suicídio? Que estranho, não?